Forte do Beliche – Fortress of Beliche

Viver Sagres é Viver a sua História, hoje apresentamos o Forte do Beliche:

To Live Sagres is to live its History, today we present the Fort of Beliche:

Este Forte, consagrado a Santo António, foi construído nos reinados de D. Manuel ou de D. João III, em data não determinada, mas anterior a 1587 – uma vez que se encontra desenhado no mapa desta região aquando do ataque de Francis Drake. Tinha como função controlar uma zona de possível desembarque e proteger os pescadores que ali tinham uma armação de pesca de atum.

No interior, existe uma Capela dedicada a Santa Catarina. A entrada do Forte, ostenta um Escudo com as Armas de Reais e uma inscrição datada de 1632 que faz referência à reconstrução do forte nesse ano.

O terramoto de 1755 causou-lhe grandes danos, tendo sido progressivamente abandonada. Foi, finalmente, recuperada em 1960, e sobre os alicerces dos antigos quartéis foi feita uma casa de chá, cujas obras foram levadas a cabo pela Direcção dos Edifícios e Monumentos Nacionais, na sequência de trabalhos realizados no Cabo de S. Vicente e em Sagres nos finais da década de 50, tendo em vista as comemorações do V Centenário da Morte do Infante D. Henrique.

The Beliche Fort, consecrated to Saint Anthony, was built before the year 1587 (the construction dates are unknown, but by this year there are already some records referring to the presence of this fortification).
The fort was used to control ships and fishing boats and also to protect fishermen that had in that area a tuna fishing framework .

In the interior of the fort, there is a small chapel dedicated to Saint Catherine. At the entrance one can find a Shield with the Royal Weapons and an inscription dated 1632 that refers to the reconstruction of the fortress in that year.
The big earthquake of 1755 caused it great damage and it was progressively abandoned.

The Fort was finally restored in 1960 and over the foundations of the old barracks a Tea House was created, while some restoration and conservation works were also carried out in S. Vicente Cape and in Sagres due to the memorialisation of the 500 years of the death of Henry the Navigator.

Viver Sagres no Inverno

Há sem dúvida qualquer coisa em Sagres que nos faz voltar vezes sem conta, por vezes sem motivo aparente, só para sentir a sua energia nos seus mais variados contextos e espectros.

Faço-me á estrada e percorro 30 km (ida) quase todos os dias só porque sim, no fundo só para Viver Sagres. Seja de Verão ou de Inverno, com chuva ou sol, Sagres possui sempre um encanto incomparável e cenários magníficos.

Como estamos no Inverno e o Verão já está amplamente divulgado, venho-vos falar dos encantos de Sagres num dia de chuva intensa e mar gigante.

Chegar a Sagres num dia assim é tudo menos deprimente, no ar sente-se o cheiro a campo molhado e o vento traz-nos a agua salgada das ondas que galgaram as falésias, a terra quase treme com a potência das vagas que a castigam.
Atrevo-me até uma das falésias mas resumo-me ao conforto do interior do meu carro, um palácio comparado com o temporal que se insurge a escaços centimetros do meu corpo.

Apenas alguns metros á frente ondas de 5 metros proporcionam um dos espectáculos mais bonitos que a Natureza nos pode dar.

Decido assumir uma perspectiva mais activa e procuro uma praia onde possa ir para dentro de água interagir com a tempestade e encontro a praia do Martinhal, uma praia onde é raro haver surf mas nestes dias até as praias mais calmas da costa sul oferecem boas condições para o surf

No fundo para viver Sagres não é preciso uma temperatura de verão e nem sequer o sol brilhar, basta estar cá e abrir os nossos sentidos para o que Sagres nos tem para oferecer…  Living Sagres